6 dicas para manter seu negócio legalizado

Empreender no mercado exige muito preparo e dedicação. É preciso produzir ótimos conteúdos, dominar os conceitos do marketing digital, marcar presença nas redes sociais e emitir notas fiscais eletrônicas corretamente.

Porém, por causa da correria do dia a dia, alguns empreendedores deixam um assunto muito importante para depois: a legalização da empresa.

A falta de tempo e o excesso de responsabilidade fazem com que esses profissionais só se preocupem em manter o negócio legalizado quando, por exemplo, é preciso pagar multas.

Se você deseja evitar qualquer dor de cabeça ou problema em sua rotina, leia este post e descubra dicas fáceis de serem colocadas em prática ainda hoje.

Por que é importante manter o negócio legalizado?

A legalização é um dos pilares para o sucesso de qualquer empreendedor. Ela permite que você tenha benefícios financeiros e aumente a captação de clientes. E, em alguns casos, é possível até pagar menos impostos.

Quem mantém a empresa legalizada não paga multas, não sonega impostos e tem a tranquilidade para focar naquilo que realmente importa: o aumento do número de vendas e a garantia da satisfação do cliente.

Você não pode cometer o erro de acreditar que um negócio digital não precisa ser legalizado também. Empresas que vendem produtos e serviços online precisam respeitar as leis e pagar impostos em dia, assim como todos os outros empreendimentos.

Em resumo, se você não levar o seu empreendimento a sério, o mercado também não levará.

Por isso, preste bastante atenção nas dicas que separamos para você abaixo:

1. Contrate um contador

Já se foi o tempo em que o contador era responsável apenas pela Declaração do Imposto de Renda — e se você ainda tem esse pensamento, mude de ideia agora mesmo.

O Brasil é um dos países com a maior burocracia tributária. Segundo um estudo do Banco Mundial, são gastas 1.958 horas e R$ 60 bilhões por ano calculando e pagando impostos.

Tentar agir por conta própria é algo arriscado, pois você pode se confundir ou se esquecer de algum detalhe, abrindo brechas para problemas com a fiscalização.

Inicialmente, muitos empreendedores conseguem realizar as responsabilidades tributárias sozinhas. Com o passar do tempo, a gestão cresce e o tempo se torna mais escasso.

Nessas horas, o contador deve atuar como um consultor, te ajudando a tomar decisões com precisão e eficiência. Portanto, faça uma pesquisa no mercado e encontre o profissional que tem o perfil adequado para fomentar o crescimento da sua empresa.

2. Faça um bom planejamento tributário

Você já pensou em pagar menos impostos sem desrespeitar as legislações do nosso país?

Por mais que pareça estranho, isso é possível e pode ser mais prático do que você imagina.

O planejamento tributário é a ferramenta para organizar todas as obrigações contábeis de seu negócio. Mas como isso acontece?

Também chamado de elisão fiscal, ele possibilita a organização das contas e dos impostos a pagar e até mesmo retardar certos pagamentos.

Um passo muito importante é a escolha do regime tributário, já que é ele que define as alíquotas e quanto de imposto que você deve pagar ao governo.

Existem diferentes tipos de regimes tributários

MEI (Microempreendedor Individual)

Opção ideal para quem está iniciando um empreendimento, desde que a atividade se enquadre na lista disponibilizada pelo Portal do Microempreendedor.

O teto de faturamento anual é de R$ 81 mil. O pagamento de impostos é simplificado, por meio do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS). Saiba que quem é MEI não precisa emitir notas fiscais para pessoas físicas, apenas para pessoas jurídicas.

Empreendedores que são MEI também podem contratar no máximo um colaborador.

Simples Nacional

É o regime tributário em que muitos empreendedores digitais se enquadram, pois simplifica o pagamento de impostos. O limite de faturamento anual é de R$ 4,8 milhões, equivalente a uma renda de R$ 400 mil por mês. Ele também reúne todos os impostos na DAS.

Lucro Presumido

Empreendedores que têm receita bruta total de até R$ 78 milhões encontram no Lucro Presumido as melhores alíquotas de impostos, mas o pagamento não é feito de forma única como nas modalidades anteriores.

Quem opta por esse regime tributário paga guias diferentes, por isso, é necessário ter maior cuidado para não deixar nenhum tributo para trás.

Lucro Real

Regime de tributação para negócios de grande porte, que têm faturamento acima de R$78 milhões no ano. O controle contábil deve ser rigoroso porque as obrigações e as burocracias são maiores.

Encontrar o modelo ideal de regime tributário depende de alguns critérios, como o faturamento e a atividade exercida. Por esses motivos, o contador é a pessoa ideal para te auxiliar a criar um planejamento tributário adequado às suas necessidades.

3. Acompanhe o seu fluxo de caixa

O fluxo de caixa é a ferramenta para auxiliar tudo o que acontece em sua gestão financeira. Ele registra as entradas e as saídas de dinheiro, permitindo que você analise quanto é gasto no dia a dia da produção de conteúdos ou de cursos online, por exemplo.

O fluxo de caixa pode ser feito facilmente em uma planilha no Excel. Existem templates prontos para baixar e usar na internet. Caso seja necessário, você pode utilizar sistemas mais completos para fazer esse controle também.

Ao aplicá-lo, você consegue manter o pagamento de contas em dia e evitar atrasos e multas. É possível descobrir custos desnecessários e otimizar as suas finanças também.

Além disso, quem mantém o fluxo de caixa atualizado paga apenas o que deve, não mistura despesas pessoais e profissionais e garante a legalização da empresa.  

Portanto, não perca mais tempo: comece crie um fluxo de caixa quanto antes.

Ps: lembre-se de atualizá-lo diariamente. Não deixe para depois o acréscimo de informações, como as vendas realizadas ou a compra de novos equipamentos de filmagem. Tomando esse cuidado, será possível antecipar problemas e encontrar soluções com facilidade.

4. Fuja das dívidas

Por mais que pareça óbvio, é essencial não fazer dívidas, já que elas causam o pagamento de multas e juros.

Ao seguir a dica anterior e ter um fluxo de caixa atualizado, você tem uma visão ampliada de onde estão os seus maiores custos e as melhores oportunidades para fazer investimentos. Com esses dados em mãos, torna-se simples encontrar novas formas para otimizar as despesas e buscar melhores fornecedores, por exemplo.

5. Poupe dinheiro

Você não leu errado. Poupar dinheiro é uma ótima maneira para manter o negócio legalizado.

Quem não guarda recursos está suscetível a qualquer imprevisto, e acredite: eles vão acontecer.

Imagine que o número de vendas não está como o esperado e as despesas não param de aumentar em um determinado mês. Se o gestor desse negócio não tiver uma reserva de emergência, provavelmente, ele terá problemas para manter as contas pagas.

A partir disso, os custos ficaram em atraso, os juros começam a aparecer e você perde o controle da situação.

Em muitos casos, as empresas demoram algum tempo até começarem a alcançar os resultados positivos.

Os primeiros meses são complicados — e não há nada de errado nisso. Empreendedores em início de carreira têm dificuldades para administrar o capital de giro e fazer investimentos corretamente.

Desse modo, sempre guarde dinheiro e tenha onde buscar ajuda para manter a sua saúde financeira.

6. Emita notas fiscais

Quando se fala na emissão de notas fiscais, alguns empreendedores já ficam de cabelo em pé. O assunto parece nebuloso em uma primeira análise, mas um bom planejamento e uma ferramenta de emissão automática podem te ajudar.

Esse documento fiscal formaliza a venda de um produto ou de um serviço, em uma loja digital ou física.

Além de possibilitar o pagamento correto de impostos, a nota fiscal permite a troca de mercadoria por parte do consumidor, dando maior segurança para quem deseja legalizar o negócio.

Antes de começar a emiti-las, é necessário conhecer os seus principais tipos:

  • Nota Fiscal de Serviço Eletrônica (NFS-e): voltada para a realização de serviços de todas as naturezas.
  • Nota Fiscal de Produto Eletrônica (NF-e): usada na comercialização de mercadorias físicas.
  • Nota Fiscal ao Consumidor Eletrônica (NFC-e): modelo que está sendo implementado nos estados brasileiros, com o intuito de substituir o cupom fiscal fornecido pelo varejo nacional.

Como a NFS-e é o documento que deve ser emitido pela maioria dos empreendedores digitais, daremos maior atenção a ela.

A emissão de NFS-e pode ser feita de duas formas.

A primeira é trabalhosa. É preciso entrar no site da prefeitura onde o seu negócio está registrado e preencher todas as informações manualmente.

Existem outros empecilhos também. Algumas cidades exigem certificação digital, enquanto outras não. As instabilidades do sistema de emissão podem atrapalhar as suas vendas também.

Por último, mas não menos importante, você pode cometer erros de digitação ou não compreender termos, como as datas de emissão e competência.

A outra maneira é a opção que gestões que querem se manter legalizadas e atrair mais clientes utilizam. Um emissor automático de nota fiscal está integrado aos principais meios de pagamento e deixa você escolher quando elas devem ser emitidas (após a venda ou a garantia).

E tem mais, uma boa plataforma envia a nota fiscal diretamente para o email do seu cliente, fazendo com que você tenha mais tempo para focar em crescer.

Gestões SaaS também podem se beneficiar porque é simples exibir o link para a nota fiscal no sistema e diminuir as solicitações de atendimento.

Este post mostrou para você como manter o negócio legalizado não é tão complicado quanto você imagina. Em alguns momentos, você pode ter dúvidas e não sabe como agir, porém, basta ter um bom contador, a fim de ajudá-lo a tomar decisões eficientes e seguras.

Respeitar as legislações tributárias e emitir notas fiscais de vendas em dia são atitudes essenciais de quem deseja alcançar mais espaço no mercado. De nada adianta, por exemplo, produzir excelentes conteúdos ou cursos digitais se você deixa esses assuntos de lado.

Além de infringir leis e ter que pagar multas, você perde credibilidade no mercado e não consegue concorrer com os seus competidores.

Por isso, coloque em prática as dicas deste post ainda hoje e mantenha a sua gestão legalizada.

Agora, continue com a gente e descubra como emitir nota fiscal de uma venda na internet!

Gabriel Nascimento é Analista de Marketing, apaixonado pela produção de conteúdo, engenheiro civil por formação e eterno aprendiz de novos idiomas! .
Linkedin
Powered by Rock Convert

Compartilhe o post:

Tags:

Powered by Rock Convert

0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Descubra o que é o leadlovers


Quero ficar atualizado sobre as melhores práticas e dicas do blog Automação de Vendas para melhorar o e-mail marketing. Se você não curtiu, basta cancelar. Leia a nossa política de privacidade para mais informações.

Siga-nos: