O que fazer e O que não fazer para a sua Página de Vendas Converter mais

 

Para ter sucesso nas vendas no digital é necessário considerar diversos fatores. E um dos mais decisivos é a apresentação do conteúdo da sua página de vendas.

É claro que vários outros elementos também contam. Tais como: anúncios, ofertas exclusivas, valor percebido, segmentação, facilidades de pagamento… 

Entretanto, não adianta tudo isso estar redondinho se a sua página de vendas não tiver o poder de transformar os visitantes em vendas.

O que fazer e O que não fazer para a sua Página de Vendas Converter mais
O que fazer e O que não fazer para a sua Página de Vendas Converter mais

Afinal, é pra lá que vão todos aqueles que clicarem nos seus anúncios nas redes sociais, e-mails e demais meios.

Ou seja, a página de vendas funciona como se fosse a sua vitrine virtual. É a sua verdadeira chance de conquistar um cliente.

Se você ainda está inseguro com a sua ou acha que aprender nunca é demais, esse artigo é para você.

A capa do livro importa, sim

Página de vendas: A capa do livro importa, sim
A capa do livro importa, sim

A capa do livro importa, sim.

Logo, é bem interessante se a sua página de vendas for um lugar impressionante. E estou falando no aspecto visual mesmo.

Uma opção excelente é apostar em uma diagramação mais minimalista e “limpa”. Isto é, com mais respiro e menos texto.

Mas vale lembrar que a identidade visual deve estar bem alinhada com a marca. E, acima de tudo, com a proposta de valor prometida.

Ter uma “landing page de vendas” bonita, com recursos modernos e frases boas é um caminho.

Porém, o que mais pode realmente ser mais ou menos relevante para a conversão?  

Bem, separamos algumas sugestões para você aplicar agora mesmo nas suas páginas de vendas. Basta seguir que é sucesso. Vamos conferir?

4 Dicas Sobre O que Fazer na sua Página de Vendas

4 Dicas Sobre O que Fazer na sua Página de Vendas
4 Dicas Sobre O que Fazer na sua Página de Vendas

1 – IMAGEM

O visual é o aspecto mais importante, e deve ser muito bem trabalhado. Paletas de cor, moodboard com referências visuais e combinações do círculo cromático são alguns dos caminhos para acertar no design.

Fotografias ou gifs com paisagens podem dar um aspecto impactante. Enquanto fotos com close-up no produto podem transmitir excelência.

Discuta com sua equipe quais são as sensações que precisam ser causadas para que os visitantes sintam vontade (até mesmo necessidade) de comprar.

É preciso transpassar os valores da sua marca através das imagens. Sejam elas paradas ou em movimento.

Estudos como a semiótica e a psicologia das cores podem ajudar a conseguir atingir os efeitos pretendidos.

Aliás, temos um vídeo no nosso canal no YouTube, onde nossa designer Marina Vaccari explica isso em detalhes. Basta dar o play abaixo:

 

2 – TEXTO

O texto, assim como o audiovisual, é decisivo para este momento de convencimento.

Para persuadir é preciso argumentar. E é no texto que estarão as palavras capazes de transmitir a mensagem com clareza.

Seja em uma frase de impacto ou vantagens em tópicos, é através do texto que a sua proposta de valor ficará evidente.

Assim, é importante deixar bem claro quais os benefícios do seu produto ou serviço

Preze por uma linguagem acessível, mas não se esqueça que é necessário ser cirúrgico, funcional, objetivo e potente.

Crie uma narrativa instigante que informe e encante os visitantes. 

E, acima de tudo, seja você. A sua marca precisa ter a sua cara. Na página de vendas, no blog e em todo o restante da sua comunicação.

3 – CTA (Call To Action)

Ao entrar na sua página, o visitante precisa clicar em algum lugar e efetuar uma ação.

Isso ocorre por meio do CTA (Call to Action). A ação que cada CTA possibilita é um passo dentro do Funil de Vendas.

Aqui estamos falando exclusivamente de página de vendas. Mas isso vale para todas as etapas do funil que envolva CTAs.

Seja para registrar e-mail para receber uma isca digital. Seja assinar newsletter. Seja para compartilhar nas redes sociais. Seja para indicar para amigos… E todas as infinitas opções possíveis…

O botão a ser clicado, portanto, deve ser bem arquitetado.

Reflita sobre as palavras da rede semântica da sua marca e escolha verbos mais específicos. Utilize uma cor mais atraente, em harmonia com os outros elementos.

Por exemplo:

  • Ao invés de “Efetuar matrícula”, poderia ser “Quero investir na minha carreira”.
  • Ao invés de “Comprar agora”, poderia ser “Transformar a minha história agora”.

A criatividade deve ser empregada. Só tome cuidado com ambiguidades.

4 – AMOSTRAS

Independente se seu visitante irá comprar ou não, é importante que você possa oferecer algo para ele.

Talvez um e-book sobre um assunto da área do seu negócio, um cupom de desconto exclusivo, receber uma newsletter com as últimas novidades do mercado…

Seja como for, não deixe seu visitante sair “de mãos abanando”.

Ainda que não efetue uma compra, cada usuário na internet é um potencial cliente, um lead, um admirador da marca. Por isso, opte pela construção de relacionamento com ele.

Ao entregar algo, você consegue um item precioso do seu público alvo: o e-mail.

Desta forma, é possível continuar nutrindo seus leads, aprofundando seu vínculo com cada cliente e até vendendo mais adiante.

A única regra além do respeito com o usuário é: Não desperdiçar as chances que o Marketing Digital te dá.

3 Dicas Sobre O que Não Fazer na sua Página de Vendas

3 Dicas Sobre O que Não Fazer na sua Página de Vendas
3 Dicas Sobre O que Não Fazer na sua Página de Vendas

1 – ENCHER DE POP-UPS

Uma das piores experiências é entrar em um site e ser atingido por vários pop-upsTodos flutuando sobre a sua página, podem carregar demais, levando a muitas desistências.

Sem conseguir abrir e ver as informações relevantes rapidamente, seus visitantes muito provavelmente não irão ser convertidos.

A página de vendas precisa ser leve, tanto visualmente quanto em código.

Isso não quer dizer, porém, que estes recursos estão proibidos.

Apenas tome cuidado para não sobrecarregar. Ao rolar o site, por exemplo, haverá mais respiro para aparecer um pop-up de promoção ou um chatbot oferecendo ajuda.

2 – ESQUECER O MOBILE

A presença dos smartphones em nossas vidas é inegável, e seu site deve acompanhar essa tendência do mercado.

Dessa forma, ao clicar em seus anúncios — seja lendo seu e-mail marketing pela manhã ou arrastando para cima no seu stories do Instagram — este usuário será redirecionado para a versão mobile do seu site.

Portanto, é imprescindível que haja esforços nesse detalhe.

Tudo para que seja um redirecionamento rápido, visualmente adaptado e funcional.

O intuito é que toda a audiência atingida poderá ter a chance de, rapidamente, consumir da sua marca. Independente do dispositivo utilizado.

As adaptações no código-fonte e no design da página são essenciais para negócios que tem como referência o “mobile first”. Mas todas as marcas podem (e devem) prestar atenção na usabilidade do site.

Para saber mais sobre esse assunto, recomendo dar uma lida nesse Guia do Google para ampliar seu negócio no mobile.

3 – DEIXAR POLUÍDO

A expressão “menos é mais” é, de fato, pertinente.

Mesmo que não tenha um tema minimalista, é interessante que não haja excessos de elementos na sua página.

Esse erro é muito comum e às vezes difícil de apontar. Preze pela simplicidade, leveza e sutileza na landing page. 

Tanto em formas quanto fontes, combinações de cores e número de palavras.

Compare sua página com as da concorrência e tente perceber quais são as sensações causadas ao abrir o endereço.

A partir da observação continuada e com reuniões de acompanhamento, sua equipe conseguirá, aos poucos, aprimorar a experiência dos visitantes da sua página de vendas.

Resumindo: Se coloque no lugar do usuário SEMPRE. Essa é a maior dica de vendas que eu poderia deixar aqui.

 

 

Compartilhe o post:

Tags: , , , , , , ,


0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Siga-nos: